UTILIZE A PESQUISA!

Ajude o Ponto de Redes! Se nós lhe ajudamos,
nos ajude com a quantia que puder!
5 reais fazem toda a diferença!
Estamos a 7 anos online, se nós lhe ajudamos, nos ajuda também. Faça a sua doação com qualquer valor!

Quanto Cobrar pelo Projeto de Rede?

Calcular o valor justo de um projeto de rede e sua implementação é uma dúvida comum para quem está começando, trabalha sozinho e ainda não criou seus próprios métodos. Se cobrar muito caro você pode perder o contrato e se for muito barato, você terá prejuízo ou pode passar a impressão que a qualidade do seu trabalho é inferior. Uma forma que sugiro e que é muito utilizada até em grandes projetos é cobrar por hora de trabalho. Afinal, você vai precisar mesmo estipular um prazo para seu projeto. Então, se você conseguir entender bem o que o contratante deseja e estipular um prazo para o projeto, você também já terá em mãos praticamente um valor a ser cobrado. Mas todo projeto precisa de um prazo de execução? Sim, quando um projeto não tem um prazo, tudo vira prioridade, tudo tem que ser feito na hora e o projeto sempre estará atrasado e todos desesperados. Tudo deve ter o seu tempo e a sua ordem de execução. Para o seu cliente o prazo também é importante, principalmente quando pode gerar transtornos com obras e paradas no sistema atual.
Partiremos do ponto em que você já possui uma estimativa do número de horas a serem dispensadas ao projeto.
Então vamos calcular o valor da hora.
Calculo do Valor da Hora Trabalhada

Sabemos que em grandes projetos existem muitos profissionais envolvidos de várias áreas. É como uma construção, existe o engenheiro, o mestre de obras, o pedreiro, o encanador, auxiliar etc. No projeto de rede temos por exemplo aquele que faz o projeto, que passa os cabos, certifica, configura equipamentos, aquele que vai cortar a parede ou piso para os dutos etc.  
Mesmo que você tenha que fazer tudo sozinho, no seu projeto você pode calcular o valor das horas de cada etapa conforme o ramo de atividade empregado ou fazer uma média.
Para termos uma ideia do valor atual de mercado do profissional, podemos usar a planilha do site a seguir, que considera alguns critérios e é frequentemente atualizada.

http://www.salarios.org.br/#/salariometro

Você pode usar como base os cargos de engenheiro de projetos de telecomunicações para a etapa de projeto, instalador reparador de redes e cabos telefônicos para a etapa de passagem de cabos / conectorização e o cargo analista de rede ou analista de telecomunicação para certificação e documentação. 

Essas são apenas sugestões e as funções e valores são para profissionais empregados e já estabelecidos no mercado.   
  • Vamos supor que você tenha encontrado o valor base de um projetista em R$10.000,00 ao mês.
  • Que o salário mensal do instalador seja R$ 3.000,00.
  • O analista que vai fazer a certificação, testes e documentação recebe R$ 6.000,00 ao mês.
Tendo um valor base mensal, precisamos achar o valor da hora. Para isso podemos dividir o valor pelo número de horas trabalhadas no mês. Nesse caso vamos usar o valor de 160 horas mensais.
Perceba que ainda não são as suas horas trabalhadas no mês, mas apenas uma base para o nosso cálculo.

Assim, dividindo os valores sugeridos anteriormente teremos:
  • Hora do projetista: 10.000,00 / 160 = R$62,50
  • Hora do instalador: 3.000,00 / 160 = R$18,75
  • Hora do Analista: 6.000,00 / 160 = R$37,50
Agora vamos multiplicar o valor da hora pela quantidade de horas estimadas em seu projeto.
Se você também dividiu o seu projeto em horas de analista, projetista e instalador, deverá fazer as respectivas multiplicações das suas horas.

E quanto aos custos com equipamentos, recolhimento de impostos etc.?
Vamos aos custos adicionais.
Custos adicionais

Essa parte é bastante complexa se formos calcular de forma muito exata. O nosso foco aqui não é tratar de assuntos contábeis, então faremos uma estimativa e um rateio simples para uma "eupresa", ou seja, você é um profissional liberal ou o único funcionário da sua própria empresa.
Existem custos diretamente relacionado a determinado serviço, como alguns materiais de consumo, outros são mais amplos como por exemplo o aluguel.
Os custos abaixo são os mais comuns e quando aplicáveis, devem ser considerados no projeto:
  • Deslocamento (Passagens, combustíveis, pedágios, balsas etc.);
  • Refeição;
  • Hospedagem;
  • Material de consumo (tinta de impressora, papel, mídias e qualquer outro material de consumo no seu escritório); 
  • Estrutura (água, luz, telefone, impostos prediais e de veículos);
  • Recolhimento de impostos (ISSQN, INSS, ISS, IRF e contribuição de classe ou sindical. O ideal é procurar um contador para uma orientação adequada.)
  • Depreciação de material ( Todo equipamento e software têm uma vida útil e a cada dia eles se desvalorizam. Podemos usar como base 2% de desvalorização ao mês sobre o valor do mesmo);
  • Taxa de negociação (É o valor para você negociar com o cliente se for necessário ganhar uma concorrência ou atender a um pedido de desconto muito especial. Normalmente 10% sobre o valor total.);
Agora procure dividir essa despesa entre os projetos que você pretende tocar durante o mês.
Lembrando que algumas despesas podem ser exclusivas de algum projeto e outras podem ser  rateadas proporcionalmente entre todos os projetos.

Mas seja honesto com você mesmo. Não acrescente custos inexistentes apenas para justificar um valor alto para seu projeto.   Por outro lado, controle suas despesas, pois tudo vai refletir no valor final. Analise bastante e seja coerente.         

Se precisar calcular os custos por hora, basta também dividir a estimativa de custo total por 160.
Vão aqui duas sugestões de sites que podem ajudar a calcular esse valor, embora sejam voltados para outras áreas.

http://www.aditivocad.com/calcular-hora-de-trabalho.php

http://www.minhahora.entreoutros.com/

Ferramentas
MS Project
É o mais indicado e completo para fazer o levantamento de prazos e recursos.
 
Planner
Básico e gratuito. Pode ser baixado no link abaixo:

https://wiki.gnome.org/Apps/Planner/Downloads




Planilha Excel
Aqui o download de uma planilha básica resumindo o que comentamos no artigo.
Download da Planilha

Conclusão

Com essas informações você será capaz não somente de colocar um valor justo para o seu trabalho como também estará próximo do valor real de mercado cobrado pelos outros profissionais, podendo  decidir se deve cortar algum custo para baratear o seu projeto.
Com o tempo você poderá criar pacotes de serviços ou tabelar o número de horas de alguns processos mais comuns para facilitar o cálculo final.

Mas seja sempre justo, aumentar o número de horas para encarecer seu projeto só vai servir para deixá-lo em desvantagem competitiva no mercado.

Fonte: Projeto de Redes 


Seis coisas que podem prejudicar sua Internet WiFi e como resolver

Seis coisas que podem prejudicar seu Wifi, muitas pequenas alterações podem resolver problemas sérios de redes sem fio.

Vizinhos

Principalmente nos grandes centros, onde temos muitos prédios, é provável que seu vizinho tenha uma rede WiFi e esta utilize a mesma frequência sua.
Isto é detectável pelos próprios aparelhos que estamos conectando. Quando seu roteador está próximo e o sinal do vizinho é melhor que o seu é bom ficar de olho.
Pode-se contornar isto alterando o canal de frequência do roteador, recomendo deixar nos canais 1, 6 ou 11. (explicarei em um outro artigo)
Outra solução é trocar seu roteador por um de padrão novo. Hoje roteadores com padrão “N” ou “Dual Band” normalmente resolvem seu problema. Além de melhorar o alcance e a velocidade, eles trabalham em outras faixas de frequência, deixando assim seu sinal melhor.

Eletrodomésticos

Microondas interferindo no sinal Wifi
Microondas interferindo No sinal Wifi

Todo e qualquer dispositivo que opera sem fio utiliza uma faixa de transferência de dados.
Babás eletrônicas e telefones sem fio são exemplos comuns que podem estar utilizando a mesma faixa da sua Internet WiFi. Os Microondas emitem a frequência de 2.4 GHZ, que pode ser a mesma utilizada por você em seu roteador.
Caso tenha aparelhos operando em 2.4 GHZ e um roteador 802.11g ou 802.11n (single-band) que opere na faixa de 2.4 GHZ, procure trocar um dos dois. Ou o roteador ou os eletrodomésticos.

Humidade

Humidade interferindo no sinal WiFi
Humidade interferindo no sinal WiFi

É fato que quando a humidade está muito alta, o sinal de WiFi diminui consideravelmente. Campos abertos, áreas externas costumam ter suas transferências mais baixas pela manhã, com a presença do orvalho ou mesmo em condições de chuva.
Outra situação é quando temos uma grande presença de pessoas em frente ao roteador, também podemos ter uma diminuição do sinal, uma vez que nossos corpos possuem muita água.
Nestes casos, posicione seu roteador o mais alto possível, sempre mantendo a antena com uma boa visão da área que deseja alcançar.

Segurança

Chaves de segurança são extremamente necessárias para uma rede sem fio. Antigamente era usado o padrão WEP, mas como é sabido este não fornece segurança necessária.
Depois veio a criptografia WPA, que aumentou (e muito) a qualidade da segurança na rede. Mas os roteadores antigos trabalham com a WPA de forma emulada, ou seja, utilizam recursos compartilhados do roteador para fazer esta criptografia.
Nos roteadores mais novos o protocolo de criptografia WPA é nativo, fazendo com que as conexões sem fio fiquem melhores.
Então fique atento, se seu roteador for muito antigo, é possível que ele esteja utilizando recursos da propagação de sinal e velocidade para “emular” o WPA. Portanto neste caso, troque seu roteador por um mais novo.

Dispositivos Bluetooth

Dispositivos Bluetooth
Dispositivos Bluetooth

Alguns dispositivos bluetooth (normalmente os antigos) interferem no sinal WiFi.
Para localizar este problema, veja se existe algum telefone celular antigo, mouse ou teclado Bluetooth e os desligue. Se a rede funcionar melhor, provavelmente este dispositivo está interferindo.

Firmware Antigo

Firmware é o software dentro do roteador. Muitas vezes os fabricantes encontram falhas ou desenvolvem melhorias para este software funcionar em maior harmonia com o roteador.
É comum o fabricante disponibilizar atualizações de firmware. Para localizar estas atualizações, acesse o site do fabricante e procure pelo seu modelo específico. Importante aqui ressaltar que este passo é necessário ter conhecimento técnico e muito cuidado, pois uma coisa errada e seu roteador não funcionará mais.
No site do fabricante, além de baixar seu novo firmware, normalmente existem informações de como fazer esta atualização de forma segura. Sempre leia estes manuais ou “how-to” do fabricante.
Mas, caso não encontre nenhuma documentação não se desespere. Normalmente o procedimento em si é acessar o menu do roteador via browser (http://EndereçoDoSeuRoteador) e na opção System ou Firmware você coloca o arquivo para fazer o upload e pronto !

Conclusão

Estes são alguns fatores que podem interferir em seu Wifi, mas existem outros. Siga estes passos e você terá sua rede sem fios funcionando de uma forma melhor.
Alguns casos onde modifiquei estes ítens tive uma melhora muito significativa.
E é sempre bom possuir um roteador novo de boa qualidade, pois como são aparelhos de tecnologia, é sempre bom ter o padrão mais novo ao nosso alcance.

Dica final

Pode parecer simples, mas é essencial : Procure posicionar sempre seu roteador na parte mais central da casa, no local mais aberto possível, assim o sinal será mais eficiente.

Fonte: Blog da Informática

As Melhores Certificações de Redes de Computadores para 2016

1. As 5 certificações Top em Redes de Computadores
Os profissionais de TI qualificados nas diversas áreas de redes permanecem em alta demanda no mercado de trabalho da atualidade. Aqueles que levam a sério suas carreiras devem considerar uma ou mais dessas melhores certificações de redes de computadores a fim de definir-se para ir além da concorrência.
Quando se trata do cuidado e alimentação de redes modernas, há uma longa lista de ferramentas e tecnologias que os profissionais de TI qualificados devem dominar – especialmente aqueles que aspiram a trabalhar como administradores de redes.
Além das máquinas servidoras e clientes que compõem os pontos finais em tais ambientes, há também uma grande quantidade de infraestrutura de redes para se preocupar hoje em dia. Isso inclui switches, roteadores, físicos e virtuais, além de muitos de uma série de dispositivos de redes, tais como gerenciamento unificado de ameaças (Unified Threat Management – UTM), firewalls de próxima geração (Next-Generation Firewalls – NGFS), otimização de WAN, filtragem de spam e e-mail, filtragem de conteúdo e muito mais.
Tomar uma decisão sobre todas as diferentes opções de certificação e especialidades pode ser um desafio. Algumas bem conhecidas e conceituadas certificações de redes podem ajudar. Neste artigo vamos olhar para cinco certificações de redes (em nenhuma ordem particular) que nós consideramos serem líderes no campo do trabalho em redes para 2016.
Antes de examinar os detalhes de nossas cinco favoritas, dê uma olhada na Tabela 1 (acesse o link no final deste artigo para acesso à tabela) para os resultados de nossa pesquisa informal sobre o mercado de trabalho. Os dados indicam o número de postos de trabalho em todos os EUA em que nossas certificações existentes foram mencionadas em um determinado dia. Os dados devem dar uma ideia da popularidade relativa de cada certificação.
Muito obrigado a Trevor Smith e aTechexams.net para fornecer dados valiosos da pesquisa que nos ajudou a selecionar as certificações existentes neste artigo.
Agora vamos dar uma olhada mais de perto nas cinco principais certificações de redes para 2016.

2. CCNP: Cisco Certified Network Professional
A Cisco Certified Network Professional (CCNP) é uma credencial que mira diretamente em plataformas e produtos de um fornecedor de equipamentos líder de redes encontrados na maioria dos fornecedores de serviços Internet e de comunicações e, para não mencionar as empresas e negócios de todos os tamanhos, também o governo, as empresas de pesquisa e as universidades. É difícil dar errado ao ganhar a certificação Cisco hoje em dia, e o CCNP é a sua principal credencial de médio porte em uma ampla variedade de especialidades.
A Cisco Certified Network Associate (CCNA) é um trampolim necessário para o CCNP. O que geralmente vem depois da CCNP para a maioria dos profissionais de redes poderia ser outro CCNP (especialidade diferente), uma ou mais certificações especialistas da Cisco ou a avançada Cisco Certified Internetwork Expert (CCIE) – que também está disponível em várias especializações.
Consulte a Tabela 2: CCNP Facts & Figures (URL no final do artigo) para maiores informações sobre esta certificação.

3. CCIE: Cisco Certified Internetwork Expert
Certamente a certificação incomparável redes da atualidade é o Cisco Certified Internetwork Expert (CCIE), que vem em uma ampla gama de especialidades. A produção anual de CCIEs permanece pequeno o suficiente para que a Cisco afirme que ainda pode contratar todos eles para si mesma, com a demanda e apreço por esta certificação difícil e gratificante ainda extremamente elevada. Ao longo dos últimos anos, a credencial Storage Networking deu lugar à especialidade Collaboration, e a credencial Data Center foi introduzida.
Embora o caminho para a obtenção do CCIE é longo e difícil, ela será bem válida pelo esforço, tempo e dinheiro gasto. Esta é uma credencial que irá abrir as portas para muitas oportunidades de emprego e altos salários para profissionais de redes.
Consulte a Tabela 3: CCIE Facts & Figures (URL no final do artigo) para maiores informações sobre esta certificação.

4. JNCIE-ENT: Juniper Networks Certified Enterprise Routing and Switching Expert
A Juniper Networks projeta e vende roteadores, firewalls e todos os tipos de soluções que visem principalmente ambientes de interconexão em data center. Seu sistema operacional de redes bem conhecido para roteamento, comutação e segurança é chamado Junos OS, que aparece de forma proeminente em muitos dispositivos e equipamentos da Juniper. Como tal, a empresa é uma concorrente superior a (isto é, se engaja em guerras de fabricantes) Cisco, Brocade, HP e outras potências em interconexão de redes.
A Juniper formou o Programa de Certificação Juniper Networks (Juniper Networks Certification Program – JNCP) há vários anos atrás para garantir uma força de trabalho capaz de oferecer suporte para todas as soluções de hardware e software da empresa. A parte do programa que incide sobre as credenciais baseadas em Junos inclui Associado (Associate), Especialista (Specialist), Profissional (Professional) e Especialista (Expert) em três ramificações: Provedor de serviços de roteamento e comutação (Service Provider Routing and Switching), Empresas de roteamento e comutação (Enterprise Routing and Switching) e Segurança no Junos (Junos Security).
Somos a favor da certificação de nível superior Enterprise Routing e Switching-Expert (JNCIE-ENT) por causa de seu prestígio no setor e sua capacidade de geração de salário. A credencial exige que os candidatos obtenham a certificação de nível profissional como um pré-requisito e passar em um exame prático de oito horas.
Consulte a Tabela 4: JNCIE-ENT Facts & Figures (URL no final do artigo) para maiores informações sobre esta certificação.

5. CompTIA Network+
Não há muitas certificações de nível de entrada de redes para TI por aí, provavelmente porque a credencial Network + da CompTIA mais ou menos é dona desse nicho de certificação específica. Muitos especialistas de TI e de certificação, incluindo nós, acreditam que a certificação Network + seja um importante elemento de teste para qualquer portfólio inicial de certificação básica para um profissional de TI experiente. Se você está apenas começando, esta é uma certificação para você.
A CompTIA Network + é também uma certificação de fornecedor neutro e um trampolim para um número de credenciais de redes mais avançadas. Alguns programas de certificação específicos do fornecedor até mesmo incluem-na como um pré-requisito.
Consulte a Tabela 5: JNCIE-ENT Network+ Facts & Figures (URL no final do artigo) para maiores informações sobre esta certificação.

6. WCNA: Wireshark Certified Network Analyst
Fundada em 2007 pelos principais especialistas em redes Gerald Combs e Laura Chappell, a Universidade Wireshark oferece apenas uma única certificação, mas torna muito válido o seu tempo. O Wireshark Analista Certified Network (WCNA) reconhece conhecimento de sniffing e análise de redes usando o Wireshark, bem como as comunicações de redes TCP/IP, resolução de problemas e segurança de redes. Para conseguir essa credencial, os candidatos devem passar num exame de múltipla escolha.
A WCNA é válida para três anos, mas os detentores de certificação devem obter um total de 20 créditos de educação profissional continuada (CPE), a fim de manter as suas credenciais em boa posição. Os créditos de CPE deve se concentrar em atividades relacionadas com os objetivos do exame WCNA (sniffing, análise, etc.) e não estar vinculado diretamente às suas tarefas de trabalho. Por exemplo, participar de uma conferência Sharkfest ou black-hat, ou mesmo lendo o Guia de Estudo de Análise de redes Wireshark, pode valer alguns CPEs.
Junto com a gestão do programa WCNA, Universidade Wireshark oferece em seu próprio ritmo, opções de treinamento personalizado para qualquer um que queira aprender um pouco sobre tudo que o Wireshark e a análise de pacotes possibilitam. Um All Access Pass é uma assinatura de um ano para todos os cursos de formação universitária Wireshark, e custa $ 699.
Consulte a Tabela 6: WCNA Facts & Figures (URL no final do artigo) para maiores informações sobre esta certificação.

7. Além das Top 5: Mais Certificações em Redes
Fora das cinco principais certificações de redes, há muitas outras opções para profissionais de redes investigarem e perseguir. Muitos dos principais fornecedores de redes, incluindo a Brocade, a Alcatel-Lucent, a F5 e até a HP, oferecem credenciais de redes focadas que ascendem todo o caminho para credenciais de nível de especialistas ou avançados. Profissionais de redes focados também vão querer verificar as certificações oferecidas pela Avaya, Citrix e Extreme Networks.
Se você não vê algo que gosta em nossa curta lista das principais certificações de redes, isso não significa que não há mais nada para escolher, por qualquer outro meio.


Retirado de: https://ademarfey.wordpress.com/2016/01/01/as-melhores-certificacoes-de-redes-de-computadores-para-2016/

Perda e Vazão de Pacotes

Neste pequeno tutorial, iremos aprender dois importantes conceitos para nossa formação profissional, que são as perdas e a vazão de pacotes.


Perda de Pacotes em Redes de Computadores

Sim, infelizmente, na maioria das redes, existe a perda de pacotes.
E um dos principais fatores que contribui para a perda de pacotes é o atraso de fila.

Se vários pacotes chegarem ao mesmo tempo em um roteador, este irá processar um por vez, para decidir para qual enlace enviar.

Os outros pacotes terão que esperar esse processamento e transmissão daquele pacote que está no roteador. Eles irão esperar em um buffer, uma memória que, obviamente, não é infinita.

Assim, se um pacote chegar em um nó, e o buffer deste estiver cheio...haverá a perda de pacote, pois este não tem para onde ir.

Certamente você já sofreu com a perda de pacote. Na verdade, é bem comum essa perda, mas quanto menos houver, melhor.

Em alguns casos, como assistir um vídeo no Youtube ou abrir uma foto de uma rede social, alguns pacotes que se perdem nem são percebidos (pois há muitos frames em um filme e milhões de pixels em uma imagem, de modo que o olho humano não percebe pequenas perdas).

Porém, há situações que a perda de pacotes é algo que não pode ocorrer.
Lembra quando baixou aquele programa e ao executar ele deu erro? Pois é, um bit faltando já o suficiente para ter um arquivo corrompido.

Para alguns casos, há uma nova tentativa de envio de pacotes perdidos, em outros casos não.
Estudaremos em mais detalhes essas perdas em outros tutoriais.

Vazão em Redes de Computadores

Além dos atrasos e perdas, outro conceito importante que ajuda a definir as características de uma rede, é a vazão de dados.

A vazão nada mais é que a taxa com que os dados são transferidos de um local para outro.
Imagine que você esteja baixando um jogo de um site ou mesmo de um programa do tipo P2P (um torrent), a vazão é o que você conhece como velocidade.

Tanto servidores como clientes, possuem limitações nas vazões.
Seu modem permite que você faça download e upload a uma vazão máxima.

Caso esteja recebendo ou enviando mais de um arquivo, essa vazão total de seu sistema final será dividida.

Fonte: Redes Progressiva

Protocolo rlogin

O rlogin é um sistema oferecido por sistemas Berkeley 4BSD Unix e definida na RFC 1258 BSD - Rlogin em setembro de 1991. É um serviço de login remoto que conecta a máquina cliente na máquina servidora de forma que a sua utilização é transparente para o usuário (Figura 01). Com isso, o usuário pode executar comandos interativos como se estivesse na máquina servidora. O rlogin possui um pacote incluso chamado de rsh que funciona como um deamon do xinetd, logo pode ser inicializado pelo inetd.

Neste contexto, a máquina remota é o servidor utilizando o programa login, e os clientes que acessam o servidor utilizam o programa rlogin, o sistema assim requer a utilização do protocolo TCP e da porta 513 como padrão dando suporte ao controle de fluxo dos dados.
                                                                      (Figura 01)


As principais características que diferenciam o protocolo Telnet do protocolo rlogin são: 
a) O servidor é sempre informado sobre o tipo de terminal com o cliente de trabalho sem negociação.

b) O servidor também é informado sobre a identidade do utilizador no sistema de cliente, que pode ser usada para automatizar o processo de autenticação. 

c) Se você alterar o tamanho da janela do terminal de exibição, ele pode enviar automaticamente um sinal para o servidor notificar.Atividade Com algumas implementações Unix do cliente Telnet, você pode usar os comandos de alternância netdata.

d)
Na transmissão de dados, sempre 8 bits de cada byte pode ser usado.

Noções básicas de protocolo rlogin


O protocolo rlogin usa conexões TCP. O nome oficial do serviço prestado por este protocolo é login e o número da porta designado para este serviço é o 513.Quando o cliente estabelece uma conexão com o servidor, primeiro envia quatro cordas, cada um terminou com uma NUL (código 0). São os seguintes textos: 

• Uma sequência vazia (contém apenas NUL).
• O nome do usuário no sistema cliente.
• O nome de usuário que você deseja estabelecer uma sessão de trabalho no sistema do servidor.
• O tipo de terminal e separadas com velocidade "/" (por exemplo, VT100 / 9600).

Quando tiver recebido estas quatro cordas, o servidor envia um caractere NUL e iniciar a transferência de dados entre cliente e servidor em modo de controle de fluxo. Neste modo, o cliente envia os caracteres o usuário digita que você chegar, personagens DC3 exceto controle ("^ S") e DC1 ("^ Q"), que significa "suspender a transmissão 'e' retomar ' respectivamente.Por outro lado, o cliente apresenta os dados enviados a partir do servidor que chegar. O cliente pode também receber mensagens de controlo a partir do servidor, que são representados por um código de bytes de dados enviados num urgente TCP. O cliente deve responder a essas mensagens imediatamente e suspender temporariamente o tratamento de outros dados que possam ter recebido.

Por definição o rlogin não permite o login remoto do usuário root, neste caso o usuário de utilizar outro usuário para ser o administrador do sistema, mas sempre terá poderes menores que o do root.
Host Confiáveis (Trusted Hosts)
Se um host confia em um outro host, então os usuários que tenham o mesmo username em ambos os hosts podem logar de um host em outro sem ter que digitar a senha utilizando algum programa de acesso remoto, por exemplo o rlogin.
Usuários Confiáveis (Trusted Users)

Os Usuários confiáveis são como os hosts confiáveis só que se referem a usuários que pretendem fazer um login. Se for configurado que um usuário de outro computador seja um usuário confiável com a sua conta, então ele pode logar na sua conta sem ter que digitar a senha.


Fontes: Projeto de RedesRedes de computadores - Universitat Oberta de Catalunya
 

O que é o GNU/Linux

      O GNU/Linux é um sistema operacional livre, compost o pelo núcleo Linux (conhecido como kernel) e pelas bibliotecas e ferramentas do projet o GNU, além de diversos programas livres feitos por outros programadores e empresas. É um sistema q ue segue a norma Unix.
      Os Sistemas Operacionais que utilizam o kernel do Linux utilizam o sistema GNU que oferece um interpretador de comandos, utilitários, interfac es gráficas, bibliotecas, compiladores e ferramenta s e vários outros programas. Por essa razão, Richard M. Stallman, criador e líder do projeto GNU, solicita aos utilizadores que se refiram ao Linux c omo o sistema completo GNU/Linux. “Um sistema GNU baseado em Linux ou sistema GNU/Linux, para sim plificar.” (Stallman, 1998) “
      Por volta do início dos anos 90 nós agrupamos todo o sistema à parte do núcleo (e nós ainda estamos trabalhando em um kernel, GNU Hurd, que exe cutará em cima do Mach). Desenvolver esse núcleo tem sido bem mais difícil do que esperávamos , e nós ainda estamos trabalhando em sua finalização.” (Stallman, 1998)
      E antes de ser terminada versão oficial do Projeto GNU, Linus Torvalds uniu o Linux com o sistema GNU para compor um sistema livre completo.
      A primeira versão do “Linux” (Linus + Unix) foi anu nciada em 1991 por Linus Torvalds, e que a partir daí recebeu ajudas e contribuições de prog ramadores do mundo todo, com o intuito de fazer evoluções e melhoras constantes em seu código.
      O GNU/Linux É um Sistema Operacional Livre distribu ído gratuitamente pela Internet. Seu código fonte é aberto o que o deixa livre para faze r alterações por qualquer pessoa que conheça um pouco de programação. E por ser um sistema de códig o aberto sua performance, estabilidade e velocidade são aprimorados cada vez mais, pela comu nidade no mundo todo.

Fonte: de Matos, Leonardo Kolisnik